Sistema de Arrefecimento – parte I

Posted on 07/10/2007. Filed under: Arrefecimento, Manutenção, Motor |


O sistema de arrefecimento tem por finalidade, manter uma temperatura ideal (estabilizada) para o motor. Essa temperatura varia um pouco de motor para motor, mas fica entre 87 a 105 graus Celsius na maioria deles.
Como o sistema é composto:

1- Radiador                3- Galerias           5- Termostato
2- Bomba d´água       4- Ventilador        6- Incador de temperatura

Além dos componentes listados acima, o sistema ainda trabalha com mangueiras, reservatório de expansão, válvula de expansão integrada à tampa do radiador ou do reservatório e o aditivo adicionado a água, formando o líquido de arrefecimento.
Logicamente estamos tratando da refrigeração por líquido, uma vez que o mesmo é o mais utilizado atualmente.
O líquido de arrefecimento é constituído por água e aditivos. Esses aditivos tem por finalidade equilibrar o pH da água, não deixando-a nem alcalina e nem ácida. O etilenoglicol é o principal componente do aditivo. Esse elemento altera os pontos de ebulição e congelamento da água, fazendo com que a mesma ferva acima de 100oC e congele somente abaixo de 0oC. Outra função do aditivo é a de manter lubrificado todo o sistema e evitar o acúmulo de sujeira no sistema.
 
Sistema de Arrefecimento – parte II
– Radiador: Serve como trocador de calor no sistema. O líquido aquecido proveniente do motor, ao passar pelos dutos do radiador sofre um resfriamento devido a circulação de ar pelas suas aletas. O líquido resfriado retorna novamente para o motor.
  O radiador possui dois dutos principais: entrada do líquido aquecido (parte superior) e saída do líquido resfriado (parte inferior). É importante que suas aletas se mantenham limpas, para não dificultar a passagem do líquido de arrefecimento.
Este dispositivo se localiza na parte frontal do automóvel, de modo a facilitar a passagem do ar.
– Bomba d´água: Serve para auxiliar o deslocamento da água no sistema, ou seja, recalca o líquido do radiador para o motor, fazendo com que haja uma troca do líquido aquecido pelo resfriado. Mesmo se não houvesse a presença da bomba, o líquido iria circular por termofissão (a diferença de temperatura provocaria o movimento). A bomba é um dispositivo que melhora essa circulação.
A bomba d´água é acionada pelo próprio motor por meio de uma polia que está acoplada à árvore de manivelas (virabrequim) por intermédio de uma correia. Isso significa que, quanto maior for a rotação do motor, maior será sua capacidade de deslocamento.
A correia que aciona a polia da bomba pode ser do tipo trapezoidal ou Mult-V.
Observação- Fique atente ao correto tensionamento da correia da bomba d´água. Alguns motores utilizem a própria correia dentada para acionar a bomba.

É importante que se observe o seu estado de conservação para um bom funcionamento do sistema. Uma correia gasta pode se romper, provocando o superaquecimento do motor. Falaremos deste assunto numa outra matéria.
 
Sistema de Arrefecimento – parte III
– Dutos internos: No interior do bloco do motor, no cabeçote ou no coletor de admissão existem dutos (passagens) por onde o líquido passa, absorvendo o calor desses elementos. Para se evitar o acúmulo de sujeira e formação de crostas, é fundamental a utilização de aditivos.

Fique atento com relação ao aditivo de radiador. Existem muitas marcas que são apenas água colorida.
Um bom aditivo dá pra se ver pela sua concentração. Aditivos de má qualidade normalmente são “ralos”.
Não utilize no sistema qualquer outro produto químico que não seja o aditivo apropriado.
– Ventilador: Também conhecido por ventoinha, esse dispositivo é responsável pela circulação forçada do ar pelas aletas do radiador.
Normalmente, quando o veículo estiver em movimento, a própria ventilação natural provocada pelo deslocamento do veículo seria mais do que suficiente para refrigerar o líquido que passa no radiador. Acontece que nem sempre isso é possível, devido à baixa velocidade em que o automóvel pode se encontrar.

Nos automóveis, esse ventilador puxa o ar frontal para trás, como se fosse um exaustor. Ele pode ser acionado por correia (pela polia da árvore de manivelas), por um eletroimã, por um motor elétrico ou por meio de dispositivos hidráulicos (ventilador viscoso).

Na figura ao lado temos um sistema com ventilador viscoso.
Embora o ventilador de Visco®  opere principalmente durante a velocidade reduzida e  pode produzir taxas de fluxo muito elevadas quando requerido. Em velocidades elevadas ele não entra em funcionamento.
 
Sistema de Arrefecimento – parte IV
– Termostato: Elemento responsável pelo controle de temperatura do motor e o rápido aquecimento do mesmo, quando frio. É uma válvula que se abre e fecha permitindo ou não a passagem do líquido de arrefecimento. Quando fechada, não ocorre a troca de calor, fazendo com que o líquido que está no motor sofra um rápido aquecimento. Quando aberta, permite que o líquido resfriado penetre no interior do motor, baixando sua temperatura.

Alguns mecânicos retiravam essa válvula do sistema alegando que a mesma prejudicava a refrigeração. Isso não é verdade. Uma vez sem o termostato, a temperatura do motor oscila muito, ora trabalhando muito aquecido, ora com temperatura muito baixa.
Motores trabalhando com temperatura baixa tem um desgaste mais acentuado e um maior consumo de combustível.

A sua temperatura de abertura e fechamento dependem do tipo de motor e do combustível que é utilizado. Motores a álcool normalmente trabalham com temperaturas mais elevadas.
– Indicador de temperatura: Localizado no painel de instrumentos do veículo, esse dispositivo tem por finalidade, informar ao motorista sobre as condições de temperatura do motor.

O indicador de combustível é um voltímetro analógico instalado no painel de instrumentos. Esse dispositivo mede a tensão num resistor fixo localizado no próprio painel, que está ligado em série com um resistor variável por temperatura (termistor). Forma-se então, um divisor de tensão no circuito.
Ao lado temos um termistor.
A tensão fornecida para o circuito é estabilizado em torno de 9 volts, para que não possa haver variação na medição em função da tensão da bateria. Para isso, utiliza-se um estabilizador de tensão (regulador).

Sistema de Arrefecimento – parte V
Observação- Para manter um bom funcionamento do sistema, mantenha sempre em ordem todos esses componentes. Assim, você não terá surpresas desagradáveis, por exemplo, numa viagem.

Funcionamento do sistema
fonte:http://www.webmecauto.com.br

Make a Comment

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Liked it here?
Why not try sites on the blogroll...

%d blogueiros gostam disto: